Guerra do Peloponeso – O que foi | Resumo de História

By | junho 7, 2016

Guerra do Peloponeso

 

A Guerra do Peloponeso durou 27 anos. Teve seu início no ano 431 a.C e terminou somente em 404 a.C., quando Atenas rendeu-se a Esparta. Embora compartilhassem a mesma língua e a mesma cultura, os gregos permaneciam politicamente divididos pela determinação de preservar a soberania das pólis. Tal opção acabou favorecendo a eclosão da Guerra do Peloponeso.

Liga de Delos

Durante as guerras persas, as cidades-Estado organizaram uma confederação, a Liga de Delos, para se protegerem contra a Pérsia. Atenas, forte política e militarmente, acabou assumindo a liderança da Liga. Em grande parte devido à força militar naval ateniense, a Liga varreu do mar Egeu persas e piratas.

Assim, ela foi sendo colocada ao sabor dos interesses econômicos imperialistas de Atenas, que proibiu a saída dos Estado membros, dispôs guarnições por toda a Grécia e utilizou o dinheiro da Liga para financiar obras públicas durante o Século de Péricles. Ainda que recebessem uma proteção efetiva, não fossem oneradas por pesados tributos e contassem com um intenso comércio, os Estados integrantes da Liga temiam a exploração e o domínio ateniense.

Liga do Peloponeso

Quando diminuiu a ameaça persa, a antipatia pelo imperialismo ateniense cresceu particularmente entre os espartanos e seus aliados, que criaram a Liga do Peloponeso, uma força militar terrestre, e se decidiram pela guerra por sentirem sua independência ameaçada pelo imperialismo de Atenas. A guerra acabou representando o suicídio da Grécia das pólis independentes.

A Liga do Peloponeso invadiu a Ática e incendiou os campos. Em 430 a.C., uma peste devastou Atenas, matando cerca de um terço de sua população, inclusive seu chefe, Péricles (em 429 a.C.). Atenas, uma potência militar naval, resistiu e a Liga não conseguiu vencê-la. Nessa primeira etapa, a guerra terminou sem vencedor. Em 421 a.C., ambos os lados, cansados da luta, assinaram um tratado de paz.

Triunfo de Esparta

Ainda assim, alimentados pelo desejo imperialista de estender o império para o Ocidente, os atenienses invadiram a Sicília, mas não foram bem-sucedidos. Alguns de seus aliados começaram a abandoná-los. Esparta, por sua vez, receando que uma possível vitória de seus inimigos na Sicília lhes aumentasse o poder, voltava a recorrer às armas contra eles. Fortalecida por um apoio financeiro da Pérsia, impôs a rendição de Atenas, dissolveu a Liga de Deles, reduziu drasticamente a frota de navios atenienses, demoliu suas altas muralhas, mas, apesar das exigências de alguns aliados, não matou os cidadãos nem escravizou mulheres e crianças do inimigo.

As cidades-Estado da antiga Liga de Delos, a essa altura extremamente fragilizadas, submeteram-se a um governo espartano opressor e culturalmente estéril. Se dava aí o fim da Guerra do Peloponeso.

Muitas tiveram seus governos democráticos substituídos por oligarquias espartanas. No entanto, a hegemonia de Esparta teve curta duração, pois as cidades-Estado dominadas criaram novos sistemas de alianças e persistiram em seus destrutivos conflitos, permitindo que Tebas, antiga aliada, se tornasse hegemônica.

Enquanto as cidades gregas estavam envolvidas nas sucessivas guerras, surgia ao norte uma nova potência, a Macedônia. Para os gregos, os macedônios, a quem davam o nome de bárbaros, eram um povo selvagem das montanhas que adquirira um verniz de cultura helênica, pouco diferindo das outras populações não-helênicas. Seu rei, Filipe li, passara três anos como refém em Tebas, onde aprendera táticas militares gregas, enquanto observava o enfraquecimento dos Estados gregos nas guerras.

Erigido ao poder em 359 a.C., com apenas 23 anos de idade, Filipe li converteu a Macedônia numa potência militar e deu início à conquista da Grécia. Aos poucos, estendeu seu império a todas as cidades-Estado gregas. Em 338 a.C., infligiu contundente derrota aos gregos e, em Queronéia, passou a dominar toda a Grécia. As cidades-Estado perderam a independência. A civilização grega adquiria uma forma diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *