Abdicação de D. Pedro I – Noite das Garrafadas – Resumo

By | junho 20, 2016

A popularidade de D. Pedro 1 havia sofrido uma vertiginosa queda desde o 7 de setembro. Assim, se caminhava para a abdicação de D. Pedro I.

Seu governo não fora capaz de resolver uma séria crise financeira enfrentada pelo País – ao contrário, o imperador aprofundou-a ao contrair empréstimos e emitir moedas para pagar a indenização a Portugal pela independência.

Para reconhecer a independência, Portugal exigiu, em 1825 uma indenização de 2 milhões de moedas esterlinas. Como o Brasil não possuía tal quantia, foi preciso realizar um empréstimo em bancos ingleses. Além disso, foram necessários recursos para sustentar as guerras internas pela independência, que ocorreram na Bahia, no Piaui e no Maranhão, entre outros focos de tensão.

D. Pedro também precisou contornar a disputa pela sucessão ao trono português em favor de sua filha, Maria da Glória. Entre 1825 e 1827, o imperador teve de financiar uma nova guerra para tentar, sem sucesso, manter a província Cisplatina.

D Pedro I - abdicação

O resultado de tantos gastos apareceu em outubro de 1829: foi decretada a falência do Banco do Brasil como se não bastasse a c econômica, D. Pedro colecionou inúmeros inimigos políticos devido ao forte caráter centralizador de seu governo. Os jornais não se cansavam de lhe dirigir críticas.

O imperador reagia costumeiramente fazendo uso da repressão. Em novembro de 1830, por exemplo, seus partidários assassinaram o jornalista Libero Badaró, em São Paulo, gerou diversos protestos.

Com o intuito de acalmar os ânimos da população, D. Pedro visitou a cidade de Ouro Preto, a capital da província de Minas Gerais. Foi recebido com faixas negras e dobres de sinos, em sinal de luto pelo jornalista morto.

Noite das Garrafadas e a Abdicação de D. Pedro I

Ao retornar ao Rio de Janeiro, seus partidários organizaram uma festa em favor do imperador que terminou com conflitos de rua. Era 13 de março de 1831, a conhecida Noite das Garrafadas – garrafas eram atiradas das janelas e sacadas no bairro português.

Em 7 de abril, totalmente sem apoio, D. Pedro abdicou em favor de seu filho, D. Pedro II, então com 5 anos.
Em meio às crises econômica e política, Pedro I abdicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *